“Há 30 anos, aprender algo permitia que eu pudesse praticar aquilo por um bom tempo sem precisar modificar. Hoje não mais.” A frase é do filósofo e educador Mario Sergio Cortella e resume bem o momento vivido pela educação corporativa. Hoje, ninguém mais pode se dar ao luxo de acreditar que não precisa mais aprender nada.

A boa notícia é que também somos autorizados a dizer: “Não sei”. Desde, claro, que a frase venha seguida de: “Mas posso aprender”. Isso vale não só para as habilidades diretamente associadas ao escopo do trabalho, o conhecimento necessário para desempenhar tarefas específicas e técnicas, mas para habilidades “soft” – como a negociação, por exemplo.

Uma pesquisa do Pew Research Center sobre aprendizado de longo prazo e tecnologia já em 2016 mostrava que 73% dos norte-americanos buscavam conhecimentos o tempo todo e se consideravam “aprendizes da vida inteira”. Do total de adultos, 74% podem ser chamados de “aprendizes pessoais”, pois, segundo a pesquisa, participaram de pelo menos uma de várias atividades possíveis nos 12 meses anteriores para melhorar seu conhecimento. Isso inclui leituras, cursos ou participação em cursos e eventos ligados aos temas de interesse.