O brainstorming é o primo determinado do devaneio; é uma forma de conceber ideias no nosso caso, alternativas estimulantes ao status quo. O brainstorming é tão fundamental para a forma como pensamos sobre inovação que você poderá se surpreender ao encontrar tantas atividades no processo de design thinking antes de chegarmos ao brainstorming. Na verdade, ao desenvolver o mapa de jornada e fazer a análise da cadeia de valores, provavelmente você percebeu que já estava tendo algumas ideias novas. Mal consegue evitar.

Quando usá-lo: Use o brainstorming no início do estágio E se.O risco é usá-lo prematuramente, antes de ter estudado O que é. Muitos projetos de inovação malsucedidos pulam O que é e começa pelo brainstorming, apenas para fracassar imediatamente. As ideias resultantes arrastam-se num vácuo, sem mapeamento mental que represente as verdadeiras prioridades dos clientes e sem critérios de design para julgar essas ideias e estimular um compromisso comum quanto às melhores. Outro risco é considerar o brainstorming apenas da boca pra fora (ou nem isso). É muito comum que executivos, confiantes na própria capacidade de agir, apressem-se em executar a solução mais à mão sem ter feito nenhum brainstorming.

Por que o brainstorming diminui os riscos do seu projeto de crescimento: Isto é bastante óbvio. Não se pode ter inovação sem ideias novas. O brainstorming garante que você considere ideias que podem resultar em algo fundamentalmente novo em termos de criação de valor. É sua proteção contra o risco do raciocínio cumulativo. Esta é uma fase empolgante no processo de design thinking. Você faz o brainstorming em equipes e grupos de forma a ter condições de utilizar o poder de pontos de vista e opiniões heterogêneos e acessar a inteligência coletiva do grupo.