Transcrição:
Clique na frase para navegar pelo vídeo

Vivemos num mundo em que todo desafio pode de fato ser resolvido através da combinação de conhecimento de tecnologia e capital. Então, um dos desafios em crer-se nisso,

é que como humanos, evoluímos nesse planeta por centenas de milhares de anos, em um mundo que seria melhor descrito como local e linear. O mundo nas savanas da África não mudava em nada de ano pra ano.

Era local pois, tudo o que te afetava estava a uma distância de um dia de caminhada. Era linear pois, a vida de seus tataravós, seus avós, você, seus filhos, e os seguintes; nada mudava de século pra século.

Nada mudava de milênio para milênio. Mas hoje o mundo é tudo menos isso. Hoje o mundo é global e exponencial. Hoje se algo ocorre na China ou Índia, você sabe segundos mais tarde aqui em São Paulo.

E não só o mundo muda século a século, década a década, o mundo está mudando ano a ano. Estamos mesmo vivendo em um tempo exponencial.

Prevê-se que nos próximos 10 anos, 40% das empresas Fortune 500 não existirão mais. Vivemos em tempos empolgantes, mas turbulentos, onde a única coisa que sabemos ao certo é que as coisas estão mudando

e cada vez mais rápido a cada dia.

Então, eu estudo isso, estudo as forças que estão causando esse ritmo rápido de mudança. E se encaixam em dois grupos: um é tecnologias exponenciais.

São tecnologias que dobram em poder a cada 12 a 24 meses. O ritmo de computadores, inteligência artificial, robótica, impressão 3D, biologia sintética, medicina digital.

Essas são tecnologias que estão transformando todas as indústrias onde todos trabalhamos. A outra parte é o que chamo de ferramentas de comunidade e multidão exponenciais:

concursos de incentivo, coleta de dados, técnicas com jogos, comunidades de 'faça você mesmo', financiamento coletivo, criatividade coletiva; elas se juntam para explorar o mundo

para ajudá-lo a resolver seus problemas. Então, como nos sentimos quando em crescimento exponencial? Sabe, se eu der 30 passos lineares, 1, 2, 3, 4, 5;

em 30 passos lineares, estarei a 30 metros daqui, irei daqui à ponta do auditório. Mas se der 30 passos exponenciais; exponencial é simplesmente dobrar: 1, 2, 4, 8, 16, 32.

Em 30 passos, não irei daqui ao auditório; acabarei a 1 bilhão de metros daqui. De fato, eu teria dado a volta no planeta 26 vezes, em 30 passos exponenciais.

E essa diferença entre ir daqui ao auditório, e dar a volta no planeta 26 vezes, é a diferença entre pensamento linear e exponencial.

Então, eu quero falar um pouco sobre o impacto de exponenciais, porque essas são as forças que estarão criando um mundo de abundância. E eu lhes dei uma estrutura que chamo de os 6 Ds de exponencial.

O primeiro é, qualquer coisa que seja digitalizada, que vire informação digital, começa a crescer exponencialmente.

A primeira parte desse crescimento chama-se crescimento enganoso, então crescimento desordenado. Por fim, as coisas desmaterializam, desmonetizam e então democratizam.

E explicarei cada um em breve. Então falemos sobre crescimento enganoso e desordenado. Vou traçar para vocês; um crescimento linear é o que vemos aqui, é um crescimento bem reto e linear; estamos todos acostumados com ele,

gostamos dele nas nossas empresas. Mas, crescimento exponencial é diferente. Agora, na direita em cima aqui, vemos esses números. E se eu começar a dobrar em 0.1, para 0.2, e assim por diante;

os números na fase inicial são bem pequenos, eles não crescem muito rápido. E nem parece que está crescendo, parece uma linha reta na fase enganosa do crescimento exponencial.

Mas, se continuar a dobrar os números, na virada da curva, de repente, o crescimento explode. E é aí que a tecnologia vira disruptiva. Então eu mencionei que qualquer tecnologia que é digitalizada,

também começa a desmaterializar. O que isso significa? Significa o seguinte: hoje no seu celular, todas essas coisas desmaterializaram. Elas agora cabem no seu celular e estão lá de graça.

Então já não carrego um GPS no meu carro, fica no meu celular. Já não tenho uma lanterna, fica no meu celular. Minha coleção de discos, minha câmera de vídeo HD, minha câmera HD, meus jogos,

meus livros; todas essas coisas se desmaterializaram e estão no celular. O mesmo que acontece a seguir é que as coisas se desmonetizam, o dinheiro vai sendo tirado delas enquanto se tornam tecnologias exponenciais.

Então, o iTunes desmonetizou as lojas de discos, tirando o dinheiro delas e pondo nos bolsos de vocês.

O Skype desmonetizou interurbanos, a Amazon as livrarias, o Google a pesquisa, a Ebay as lojas locais, pelo menos nos EUA, o Craigslist desmonetizou os classificados.

E então, claro, o outro poder do crescimento exponencial, é que uma vez que se tornam desmaterializadas e desmonetizadas, se tornam democratizadas. Essas tecnologias vão para todos os lugares.

Então esse é o crescimento de celulares na África, o que antes estava só disponível para os mais ricos, está agora disponível para 1 bilhão de pessoas na África até 2016.

Começaremos a ver robôs entrando em todos os aspectos de nossas vidas. E isso transformará nossa força de trabalho. Aos que trabalham para empresas grandes, o que acontece quando é muito mais barato

e muito melhor contratar robôs do que contratar pessoas? Como isso transformará todos os aspectos da nossa sociedade? Há outros tipos de robô, isso é um robô, esse é o carro autônomo do Google.

Meus amigos aqui Larry, Sergei, e Eric, estão o demonstrando em Mountain View.

Se vier para a Singularity University, verá esse carro, talvez dirija-o.

E este carro em última análise, é um robô. É um robô que guia a si mesmo, e aqui está na University Boulevard,

perto de Stanford. E esse carro já dirigiu mais de 300 mil milhas. Sozinho, sem um motorista. Só bateu duas vezes. E ambas as vezes, quando um humano estava guiando-o, e não o robô.

Então agora é legalizado em alguns estados dos EUA. E se você notou, esse carro tem em cima do teto algo chamado LIDAR; é um radar de imagens a laser, que gera 64 lasers a 10 rpm,

e esses lasers vêem tudo. Enquanto desce uma rua vê uma pessoa andando, uma jogando lixo, vê um gato, um cachorro. Gera 750 Mb de dados a cada segundo.

Quero que pense sobre isso. Porque, esses carros vão começar a se proliferar, reduzindo o trânsito de São Paulo, o que é ótimo, eu te garanto;

fazendo com que dirigir seja mais seguro, dando-lhe de volta horas em que pode dormir, pode ler, fazer seu trabalho; enquanto esse carro te conduz, todos nós temos um chofer de repente.

Mas, enquanto esses carros fazem isso, estão literalmente vendo tudo e gravando tudo; não haverá mais nada feito em segredo porque esse carro está escaneando tudo

24 horas por dia, 7 dias por semana na estrada. Um amigo meu que trabalha em um dos maiores fundos de capital de risco no Vale do Silício, Bill Joy, é muito famoso por dizer:

"Não importa quem você seja, a maioria dos mais inteligentes trabalham para outra pessoa". E é verdade, não é? Se você é o Larry Page, o CEO do Google,

com 40 mil funcionários, isso é 40 mil de 7 bilhões. Fica claro que não pode ter todas as pessoas mais inteligentes trabalhando pra você. Mas, você pode.

Você pode acessar as pessoas mais inteligentes por todo o mundo, ao acessar a multidão. E tenho estudado isso para o tema do meu próximo livro, que chama 'Ousado - Como fazer seus sonhos se realizarem e

solucionar os grandes desafios do mundo'. Então falemos de uma dessas formas de acessar a multidão, chamada coleta de dados. Então esse é um amigo meu, Rob McEwen, e diferente de mim,

ele é dono de minas de ouro. E em 1989 comprou sua primeira.

Comprou no norte do Canadá, e passou 10 anos coletando dados geológicos. Tentando descobrir quanto ouro havia em suas minas. E fez algo muito incomum. Primeiramente perguntou ao seu geologista,

onde está o ouro nessas minas? E lhe deram uma péssima resposta; não temos a menor ideia! Então o que ele fez: pegou todos os seus dados geológicos e pôs na Internet.

O tipo de informação que normalmente se mantém no cofre empresarial, atrás de uma firewall, ele colocou na Internet e disse ao mundo: "Quem puder me mostrar onde encontrar 6 milhões de onças de ouro, ganha US$500 mil".

O que aconteceu? Ele teve 1400 solicitações dos dados; 125 apresentações. As três melhores apresentações mostraram-lhe onde encontrar 6 milhões de onças de ouro.

Agora, eis o interessante; nenhum dos três finalistas chegou a viajar para o Canadá. Dois são da Nova Zelândia, e um da Rússia. O que fizeram foi olhar os dados dele de uma forma diferente.

E um investimento de US$1 milhão dele resultou em US$3 bilhões de riqueza gerada.

Então, literalmente, em seus dados, em todos nós, em toda empresa; há muitos dados, em seus dados há mesmo ouro. Então a pergunta é: você possui dados que quer usar pra prever

quais clientes comprarão, quais devolverão os produtos, onde terá os melhores resultados? Esse tipo de coleta de dados vai transformar todas as indústrias.

Outro tema de interesse é como acessar a multidão para criar conteúdo pra você? Para engradar informação que você precisa para marketing. Então, darei-lhes um exemplo, tem uma empresa chamada 99designs.

Eu a utilizo sempre, não sei se vocês a utilizam. Imagine uma comunidade de milhares e milhares de designers e artistas. Onde você vai e põe uma quantidade de dinheiro e diz:

'Estou buscando um logotipo para meu novo produto ou nova empresa'. Descreve o que quer, quanto está disposto a pagar, e então milhares de pessoas competem para desenhar o logotipo,

e você só paga depois que obter o logotipo que gosta.

É a forma de utilizar a multidão para criar seu conteúdo. Essa é uma cópia do livro do meu amigo, Steven Pinker, de Harvard,

que diz que estamos vivendo nos tempos mais pacíficos da história humana. A chance de se morrer por violência é 1/500 do que era. Mas não saberíamos disso, assistindo às notícias na mídia, não é?

Vejam, acontece que a tecnologia é a força que causou isso; não é melhor governo, não é sorte. É o impacto da tecnologia nas nossas vidas. A tecnologia pega o que era escasso e o torna abundante.

Em 2000 tivemos em torno de 6% do mundo com acesso, por volta de meio bilhão de pessoas com Internet. Nos próximos 10 anos, de 2000 a 2010, foi de meio bilhão a 2 bilhões.

Nos próximos 7 anos, entre agora e 2020, Três bilhões de novas mentes entrarão na conversa global. Três bilhões de novas pessoas estão entrando online.

Esses são três bilhões de novos consumidores. Seus clientes. Ou os clientes dos seus clientes. Eles representam dezenas de trilhões de dólares, fluindo para a economia global.

Pra mim eles representam a adição de inovação extraordinária. Vejam, esses três bilhões de pessoas terão acesso a impressão 3D, acesso à nuvem, a inteligência artificial, a biologia sintética.

E conseguirão ajudar a solucionar seus próprios problemas.

Estamos prestes a entrar no período mais extraordinário de inovação que já houve. Não vimos nada ainda. Estamos bem no começo do período de inovação e transformação mais explosivo que este planeta já viu;

ao passo que as tecnologias exponenciais e tudo isso vai online. Então, terminarei com esses últimos slides.

Essa linha azul é a população mundial, que acabou de passar da marca de sete bilhões. Sete bilhões de pessoas nesse planeta, a caminho de nove bilhões.

Essa linha verde é a disseminação da Internet. Em 2000 tínhamos em torno da metade, em torno de 6% do mundo coberto, em torno de meio bilhão de pessoas com Internet.

Ao longo dos dez anos seguintes, entre 2000 e 2010, foi de meio bilhão para dois bilhões. Nos próximos sete anos, entre agora e 2020, três bilhões de novas mentes

entrarão na conversa global. Três bilhões de novas pessoas estão entrando online. Senhoras e senhores, é uma honra estar aqui, obrigado HSM por me apresentar.