Uma das grandes novidades do momento é a impressão 3D, que promete mudanças revolucionárias não só na produção, mas também em logística e vendas. “Bem na hora em que a web democratizou a inovação em bits, novos tipos de tecnologia de prototipagem rápida, que vão de impressoras 3D a cortadoras a laser, estão democratizando a inovação em átomos”, afirmou Chris Anderson, ex-editor da revista Wired, em seu mais recente livro, Makers: A Nova Revolução Industrial (ed. Campus/Elsevier).

Além das implicações tecnológicas dessa novidade, contudo, fatos recentes sugerem importantes lições de marketing para executivos sobre a face mutante da inovação tecnológica –e o que isso significa para os negócios. Neste artigo, examinamos o rápido surgimento do movimento da impressão 3D de código aberto e como isso reforça a tendência geral da inovação de código aberto resultante de comunidades colaborativas online. Discutimos ainda como empresas existentes podem reagir à inovação de código aberto se ela acontecer em seu mercado –e se esses projetos representam uma ameaça ou uma oportunidade para negócios estabelecidos.

Também conhecida como “prototipagem rápida”, a impressão 3D é a impressão sólida de objetos tridimensionais físicos. Criado em um arquivo CAD, o design de um objeto é primeiro dividido em fatias da espessura de um papel, em seções transversais, que são então “impressas” individualmente com materiais líquidos, em pó, de plástico ou de metal em sequência até que o objeto inteiro é formado. O uso de impressão 3D torna possível construir modelos físicos, protótipos, padrões, componentes de ferramentas ou peças de produção.