Master of the universe foi uma expressão que ficou famosa por seu aspecto mais sombrio. Utilizada no final dos anos 1987 pelo escritor norte-americano Tom Wolfe no livro A Fogueira das Vaidades, “senhor do universo” descrevia os ambiciosos, inescrupulosos e egocêntricos homens de negócios de Wall Street e teve particular repercussão –e ressonância– na década de 1980. Talent master, expressão do consultor e coach de CEOs Ram Charan, “pai” da execução, não tem nada que ver com Tom Wolfe felizmente, apesar de “talento” e “ego” serem conceitos que se sobrepõem na percepção de alguns. Para Charan, “mestre em talento”, ou “senhora do talento”, é a empresa que já com­preendeu o único diferencial competitivo verdadeiramente possível nos negócios: profissionais talentosos.

Se é um pensamento elitista? Não para um indiano de mais de 70 anos que entende como sua missão na vida ajudar os gestores a resolver seus problemas. Segundo Charan, todo mundo tem algum talento –apenas é preciso descobri-lo, aplicá-lo na tarefa certa e amplificá-lo. No século 21, mais do que nunca, esse é o grande desafio das organizações. Sempre foi um desafio relevante, aliás, mas a diferença agora é que seu enfrentamento se tornou inadiável, dada a complexidade do ambiente de negócios.

Em entrevista exclusiva a José Salibi Neto, chief knowledge officer da HSM do Brasil, Ram Charan discorre sobre a fórmula 70-20-10 para as empresas desenvolverem seus profissionais e sua importância sobretudo para os países emergentes, conta o que aprendeu sobre a essência do talento com os talentosos CEOs que assessora, reforça a validade dos fundamentos da gestão –“mais do que nunca”– e aborda a função dos boards –tanto os sounding boards dos CEOs como os boards of directors corporativos– e como ela pode ser executada com mais eficácia. Charan lançará seu livro Talent Master em outubro de 2010 nos EUA.