Transcrição:
Clique na frase para navegar pelo vídeo

Fracasse rápido, aprenda rápido, conserte rápido, é a única forma de progredirmos nesse ambiente, ninguém tem as respostas, todos têm as mesmas informações,

estamos afogando nessa coisa. Todos têm o mesmo conhecimento. Agora trata-se de se mexer, adquirir experiência, aceitar o fracasso,

aprender através dele, porque a maioria das empresas não são empresas que aprendem, elas dizem que são, mas são empresas que encobrem.

Elas se ajeitam. Não! Seja como um bebê, seja como minha neta, ela aprendeu a andar caindo. Ela caía e se levantava, aprendendo, e agora ela está correndo,

se eu pudesse aprender o mesmo, seria muito útil.

Haja rápido e decida civilmente. Nós temos um sistema na Saatchi & Saatchi, temos escritórios, não sei, em cem países, ou algo do tipo, e temos seis ou sete mil pessoas, eu não sei.

Nós temos menos hoje do que tínhamos ontem, eu posso dizer. De qualquer forma,

nós temos um sistema que se você tem um problema em um dos países e você realmente não sabe o que fazer, não se preocupe, entre em contato comigo com esse problema, diretamente comigo,

instantaneamente, eu te garanto que dentro de 24 horas te darei a resposta.

Pode não ser a resposta certa, como eu posso saber? Mas, é a resposta e eu estou ali com você. Você precisa garantir que dentro de 24 horas você vai implementar essa resposta.

Você não irá falar a respeito, não irá discutir, não melhorará a resposta,

você me mandará o problema em 24 horas, eu te darei uma resposta em 24 horas e você agirá em 24 horas.

E então, nas próximas 24 horas, veremos se estávamos certos ou não, mas tem a ver com rapidez, tem a ver com velocidade.

Muitas empresas hoje têm tanto medo disso, que elas estão sentadas ali, tremendo.

Os consumidores e competidores já estão se mexendo, então você precisa agir rápido e decididamente. Fracasse rápido, aprenda rápido e conserte rápido.

Fracasse de forma barata, aprenda de forma barata e não faça muito dinheiro. Você precisa reestruturar suas crenças sobre valores.

Isso não é... Claro que as pessoas têm menos dinheiro para gastar,

independente de qual área você esteja, e estão mais preocupadas em gastar dinheiro. Agora, o que você precisa dar ao seu pessoal nesse ambiente são quatro coisas, certo? Quatro coisas:

a primeira coisa que você precisa dar a todos em sua empresa é responsabilidade antes que estejam prontos.

Procter & Gamble falam disso como liderança em todas as cadeiras. O antigo modelo de liderança está morto nos dias de hoje, se você conta com o idiota do seu CEO para te liderar para uma boa vida,

esqueça! Não vai acontecer. É como quando uma mãe deixa o pai gerir a família, caos, certo? Não vai acontecer.

Você precisa ter liderança em todo o lugar, porque o antigo modelo de líderes e seguidores não é o método para esse ambiente.

Não temos tempo para seguir, todos deveriam receber responsabilidades para tomar decisões e para agir rapidamente. O mais próximo que você estiver do cliente,

mais poder de decisão você deve ter.

O que está acontecendo nesse ambiente é o contrário, porque o conselho de liderança e gerentes estão com tanto medo,

que eles estão elevando as decisões até o topo da árvore onde sentam os macacos.

Não é bom, precisamos ter as decisões sendo tomadas embaixo por aquelas pessoas que realmente chegam aos consumidores. Então você tem que dar responsabilidade para todo o seu pessoal.

A segunda coisa que você precisa dar a eles é aprendizado. Devemos aprender todos os dias, porque os consumidores estão se movendo na velocidade da luz.

Independente da área em que você trabalhe, tudo está mudando hoje. E amanhã. Tudo.

A Internet mudou tudo, celulares mudaram tudo, Twitter mudou tudo,

Facebook mudou tudo. Tudo está mudando, então você precisa aprender todos os dias e você precisa garantir que todo seu pessoal nesse ambiente também está.

Terceira coisa que você precisa dar ao seu pessoal é reconhecimento.

Nesses tempos difíceis, todos são inseguros, todos estão preocupados com orçamento, todos estão preocupados com estabilidade no emprego, todos estão preocupados com a criminalidade, todos estão preocupados com drogas,

todos estão preocupados com o que está acontecendo na China, o que está acontecendo com o terrorismo, o que está acontencendo, estamos preocupados. Então você precisa dar reconhecimento ao seu pessoal todos os dias,

dê a eles amor e apoio incondicionais.

Amor. Amor e apoio incondicionais, porque todos trabalhamos melhor com eles. E é isso que grandes empresas precisam agora, reconhecimento. E a quarta coisa que você precisa dar a todos é alegria.

Precisa ser um ótimo lugar para se trabalhar, você precisa ter música, você precisa ter diversão.

Sabe, estamos passando a maior parte da nossa vida ativa no trabalho, deveria ser ótimo, deveria ser divertido. Você pode criar alegria com coisas pequenas o tempo todo.

Então pense nessas quatro coisas: responsabilidade, aprendizado, reconhecimento e alegria. Comece com si mesmo, garanta que você está recebendo essas quatro.

Se você fizer isso, então sua equipe passará para alta performance e então eles vencerão.

Eu estou na área de propaganda e apenas duas coisas importam nessa área, você só precisa fazer duas perguntas quando você vê uma propaganda, a primeira pergunta é... esqueça a pesquisa e tudo isso, dinheiro e essas coisas,

a primeira pergunta é: eu quero ver isso de novo?

Quero ver isso de novo? Se qualquer um de vocês mora nos Estados Unidos, na maioria das propagandas, tudo o que você quer fazer é se matar imediatamente.

"Eu nunca quero ver isso de novo."

No Brasil é diferente, porque, graças a Deus, a criatividade continua viva. Quero ver isso de novo? A segunda pergunta na geração de hoje é: eu quero compartilhar isso?

Quero passar isso para frente? Porque quando você vê algo excelente, quando você vê algo engraçado...

Passa para frente igual louco, porque vivemos nesse mundo. Essas são as duas únicas perguntas que te economizarão centenas de milhares de dólares em pesquisa.

Deixe de lado todas as outras pesquisas e faça essas duas perguntas. Então, marcas estão mortas, então se você é um gestor de marcas ou pessoal de marketing, ou professor de marketing, ou o que for, marcas estão mortas.

Acabou. Elas se tornaram commodities.

O futuro das marcas está em se tornar uma lovemark,

a diferença entre marcas e lovemarks é simples: marcas são propriedades de empresas,

lovemarks são propriedades daqueles que as usam. Eu odeio quando um gestor de marca vem ao meu escritório e começa a falar sobre "a minha marca".

Na verdade, eu odeio quando um gestor de marca vem ao meu escritório e pronto.

Mas eu odeio quando ele fala sobre "a minha marca", a marca não é dele, é o negócio dele.

Ele não é o dono da Coca-Cola, ele não é dono da Skol. As pessoas que bebem Coca-Cola e Skol são os donos destas marcas. Vivemos em uma economia hoje onde o consumidor é o chefe,

nós somos os donos. A maioria de nós não irá abrir mão do controle sobre as marcas. "Meus consumidores estão irritados." Eles querem estar envolvidos, comprometidos,

eles não querem que gritem com eles ou que falem com eles,

eles querem ser atraídos e envolvidos.

Marcas são construídas com respeito. Lovemarks são criadas através de amor e respeito. Ok, como você torna sua marca uma lovemark?

Algumas ideias rápidas, cinco formas. Primeira: pense com o seu coração.

Pense com o seu coração, tome as grandes decisões com o seu coração, as pequenas com a cabeça. A maior parte do marketing é racional, a maior parte de vendas é racional,

toda tomada de decisão é emocional.

Isso é loucura!

Isso é loucura, nós fazemos... Um neurocientista, Donald Cohen, disse que 80% das decisões são feitas emocionalmente e a diferença

entre tomada de decisão emocional e racional é simples: tomada de decisão racional leva à conclusões,

tomada de decisão emocional leva à ações.

Todos vocês estão na área de ação.

Vendas, marketing, propaganda, só existe um propósito que é vender mais coisas.

Essa é uma área de ação. Nós precisamos de mais e mais emoções na comunicação, no pacote, nos passos, porque emoção leva à ação.

Segunda ideia: jogue fora toda sua pesquisa, se livre de toda informação, se livre de todos os dados, todos os seus competidores têm essas porcarias, ok? Não é isso que fará a diferença. Se você quer aprender sobre como um leão caça,

vá à floresta, não ao zoológico.

Chega de grupos de foco, chega de entrevistas profundas, na verdade, chega de perguntas. Porque quando você faz uma pergunta, alguém te diz uma mentira.

Então, por que perguntar? "Você me ama?" "Claro que eu te amo, querido." Ah, sei. Você precisa explorar, você precisa gastar tempo com seus clientes e consumidores

observando-os, não falando para eles, não fazendo perguntas a eles. É um novo mundo aí fora, não é o que o consumidor diz ou o que o consumidor faz que importa, é como ele se sente.

E a única forma de você saber como ele se sente é observando-o, se você tiver empatia, se você o sentir, se viver sua vida com ele. E se então você for embora e pensar nisso, esqueça das percepções,

provavelmente vocês todos têm departamento de percepções de consumidores, certo? "Nós temos informação, temos conhecimento e, agora, somos bacanas, nós temos percepções."

Eu vi milhões e milhões de percepções, eles têm desses em Detroit, sabe, muitas e muitas percepções de porque as pessoas não compram seus carros.

Mas, se eu acho algo sobre percepções, é que elas não são perceptivas.

Elas são aglomerações de dados, o motivo pelo qual grande parte do marketing de todo mundo é igual ao do outro. Você não procura por percepções, você deve buscar revelações.

Revelações. E você encontra revelações ao ter empatia e ao ter sentimentos, atráves da verdade. Terceiro elemento para criar lovemarks é algo que eu comentei no começo,

nós devemos aprender a oferecer um valor inestimável. E aqui temos o que consumidores vêm dizendo:

"Eu não quero só que as coisas tenham valor, eu quero que reflitam o que eu valorizo."

O consumidor é o chefe, não a marca, não o vendedor.

Quanto mais você souber sobre como ele se sente, mais você saberá sobre o que ele realmente valoriza.

Ele é, ele sabe que agora tem menos dinheiro. Então ele está desafiado a encontrar novas soluções criativas, ele não vai abrir mão de luxos, apenas escolherá outros.

A cliente ainda comprará batom da MAC ou pode comprar uma garrafa de vinho melhor, ela tomará essas decisões, a não ser que você saiba como ela está se sentindo, você será deixado para trás.

Lovemarks devem estar à frente dessa reestruturação de valor. A terceira ideia é que você tem que analisar longamente as propostas de valores.

É a abordagem Tylenol, é dizer: "Nesses tempos difíceis, se você tem uma dor de cabeça, tome um copo de água e espere 20 minutos, provavelmente irá passar. Se não, tome um Tylenol."

Isso é muito a longo prazo. É claro que todo mundo diz: "Obrigado, Tylenol", e toma o Tylenol imediatamente. Mas eles pensaram no valor a longo prazo e é isso que devemos tentar fazer.

Quando você for embora hoje, escreva um plano de dez coisas

que farão você vencer de qualquer jeito.

Uma frase, oito palavras, comece com o verbo, é isso. Você vai vencer de qualquer jeito, um plano de 100 dias e assegure-se de que até o Natal você fez todas elas.

Se você fizer isso, seus competidores estarão dormindo. A segunda coisa é lembrar-se de que você está na economia participativa, toda vez que você escreve um anúncio, você faz qualquer coisa online, na loja física,

se pergunte: como as pessoas irão compartilhar isso?

Uma ideia não é uma ideia até que as pessoas a disseminem nesse novo mundo.

E a terceira coisa que você tem que fazer é inspirar todos que você toca a fazerem uma coisa, fazerem uma coisa,

fazerem do mundo um lugar melhor antes que seja tarde demais.